Uma caminhada do Pico do Areeiro ao Pico Ruivo (PR1) é imperdível! Esta aventura nas alturas, está incluída nos percursos recomendados na ilha, e embora classificada de difícil execução, é tão fácil apaixonarmo-nos por ela.

 

 

Se apanharem um daqueles dias “UAU” na ilha, vão ter a sorte de poderem sentir a sensação de estar acima das nuvens. Por vezes, as nuvens parecem dançar em redor dos picos, deixando o céu a descoberto, com um azul celestial intenso e que afugenta todo o stress. Um cenário sem explicação!

O trilho está bem sinalizado e protegido ao longo de toda a caminhada, no entanto, recomendamos que se façam acompanhar por um guia. Existem algumas empresas como a https://explorenature.pt/walks/ que disponibilizam esta excursão.

 

 

Se estão no Funchal, o local de partida mais próximo é o Pico do Areeiro, onde existe uma área de estacionamento e um café/bar. Há também uma pequena loja de souvenirs e wc’s. Percorremos um total de 6,1 km até ao Pico Ruivo e depois 2,5 km até às Achadas do Teixeira (PR1.2), onde temos acesso à estrada, que nos leva ao centro de Santana.

O tempo de caminhada ronda 3h30 a 4h, e um total de 8,5 km. Se quiserem fazer o mesmo percurso, de volta ao Pico do Areeiro (e não optar por descer até às Achadas do Teixeira) contem com cerca de 7 horas no total. Dado o grau de dificuldade, não é recomendado a crianças menores de 12 anos. A altitude exige respeito e boa forma física. Existem muitas subidas, descidas, túneis e degraus. O clima altera-se rapidamente e apesar da caminhada começar nos 1818 metros, baixamos aos 1491 metros, para depois voltar a subir, aos 1862 metros, onde vão encontrar o pico mais alto da Madeira, o Pico Ruivo. É necessário bom calçado, agasalhos, lanternas, água e snacks e nunca deverão fazer o percurso sozinhos.

 

 

A paisagem é tão bonita que não há palavras que lhe façam justiça, #madeiranowordsneeded.

Passamos por vários miradouros, como o Ninho da Manta, onde vemos o espetacular maciço central da ilha, o curioso Pico do Gato, e o Pico das Torres (o segundo pico mais alto da ilha). Em dias de céu limpo, conseguem avistar o Curral das Freiras, a Ponta de São Lourenço e o Porto Moniz.

É magnífico, ver as diferentes formações rochosas, as diferentes tonalidades dos picos, os diques basálticos, as rochas arenosas e flores como o massaroco, a orquídea da madeira e a urze da rocha.

 

 

No que diz respeito a aves, é frequente avistar a manta (Buteo buteo hartreti), que deu o nome ao miradouro (Ninho da Manta), o tentilhão (Fringilla coelebs madeirensis), o francelho (Falco tinnunculus canariensis) e por vezes o bis bis (Regulus madeirensis), ao chegar ao Pico Ruivo.

Este é também o único local identificado para a nidificação da Freira da Madeira (Pterodroma madeira) – ave marinha endémica, das mais raras no mundo.

É possível vê-la e ouvi-la à noite. Se estiverem interessados em observar estas aves, existem algumas empresas locais como a Birds & Company http://www.birdsandcompany.com que disponibilizam esta experiência.

É tão mágico como o local que escolheram para nidificar – algures no trilho Pico do Areeiro – Pico Ruivo, na Madeira.